As peças para as eleições de 2020 começam a se movimentar em Adamantina. Conforme vem noticiando o IMPACTO, nomes se articulam nos bastidores e diversos cenários já são cogitados na disputa pelo quinto andar da Prefeitura.

Um dos nomes nesta corrida vem sendo do vereador Acácio Rocha (DEM), que pode se tornar peça fundamental no jogo político adamantinense no próximo ano.

Ao IMPACTO, o parlamentar confirmou que é pré-candidato a prefeito de Adamantina. Mesmo sendo do partido do prefeito Márcio Cardim, que deve concorrer à reeleição, “a postura não significa um racha no grupo político”, pontua Acácio Rocha.

CARDIM E POSSÍVEIS VICES

Apesar de não confirmar oficialmente, Márcio Cardim deve pleitear mais quatro anos de mandato. E, com a atual vice, Ana Maria Micheloni, descartando nos bastidores a possibilidade de continuar no cargo, o Chefe do Executivo municipal busca um novo nome, sendo o mais cotado no momento o da vereadora Dinha Santos Gil (DEM).

Porém, existem outras possibilidades, como também o vereador Eduardo Fiorillo (DEM) e do empresário Gustavo Junqueira, que recentemente anunciou sua desfiliação do Partido Verde e possui ligações com o grupo de Cardim.

“Todos que ocupam cargo no Legislativo têm o desejo de um dia poder chegar ao Executivo, e comigo não é diferente. Se surgir a oportunidade, acredito que minha trajetória política e de serviços prestados pela nossa cidade ao longo dos últimos 14 anos, nestes quatro mandatos como vereadora, ajudarão para somar para uma suposta candidatura a vice-prefeita. Mas, hoje, ainda é cedo para afirmar algo nesse sentido, afinal, o DEM sempre se pautou, não apenas pelo desejo de vencer as eleições, mas sim em apresentar projetos de governo voltados ao município e à população como um todo, em vez de priorizar projetos pessoais. Estou à disposição do partido. E meu desejo é continuar trabalhando em benefício de Adamantina”, diz Dinha.

“Além de influentes lideranças, venho recendo muito incentivo da população para cargos na eleição de 2020, inclusive para vice-prefeito, deixando-me muito lisonjeado. Creio ser reflexo do trabalho sério, transparente e honesto que realizei na presidência da Câmara Municipal, tendo como meta o interesse público e como prêmio as contas de 2017 aprovadas pelo Tribunal de Contas sem nenhum apontamento, pela primeira vez na história do Legislativo. Pertenço ao DEM, o mesmo partido de Márcio Cardim que após pagar as dívidas, executa um trabalho muito bom em benefício de Adamantina e continua sendo o candidato natural a prefeito. Como vereador, estou sempre à disposição para ajudar o grupo, sem obsessão pelo poder, a encontrar a melhor solução, na época oportuna”, diz Fiorillo.

“Descarto a candidatura a prefeito, mas outras possibilidades, não. Pretendo continuar colaborando com Adamantina. A cidade me acolheu, me abraçou, estou fazendo minha história de vida aqui. Não posso simplesmente fechar os olhos para a cidade e deixar as coisas acontecerem”, diz Gustavo.

CARDIM E SEUS CONCORRENTES

Possíveis concorrentes a Márcio Cardim também montam estratégias em busca da vitória em 2020. Acácio Rocha é o segundo nome a confirmar pré-candidatura a Prefeitura de Adamantina. O vereador Hélio José dos Santos (PR) também já anunciou a intenção de disputar o cargo de prefeito.

Outro nome comentado nos bastidores é do atual presidente da Câmara, Eder Ruete (DEM), que vem ganhando visibilidade com uma nova postura no Legislativo municipal.

Caso se confirme os nomes de Acácio Rocha e Eder Ruete, será um racha no atual grupo, considerado o principal movimento político da cidade.

“Hoje fico confortável para assumir que sim, e essa afirmação não é nenhuma novidade entre aqueles mais próximos, aos quais tenho considerado essa possibilidade de construir um novo espaço de trabalho pela cidade, na função executiva. Em posicionamentos anteriores, inclusive na imprensa, já sinalizei essa busca. Diariamente tenho dialogado sobre isso, e refletido bastante sobre os cenários, o que me inspira, hoje, a não declinar desse projeto. Nisso, trago dois núcleos de reflexão: o primeiro deles é o desconforto em virar as costas para uma oportunidade de poder fazer mais pela cidade, pois tem havido chamados e apoio, desde já. O segundo é ampliar as possiblidades de escolha, pela população e, inclusive, dentro do próprio partido e grupo político. Esse segundo aspecto complementa a resposta à pergunta, e não configuro essa possibilidade como um racha, mas sim um avanço. Basta voltar à eleição municipal de 2012, quando o nosso partido lançou de última hora um candidato que, infelizmente, não alcançou o quinto andar. Ele se dispôs, trabalhou bastante e se dedicou integralmente à campanha. Porém, foi uma candidatura do último minuto, sobretudo pela falta de lideranças, nomes e outros dispostos. Hoje, vejo uma evolução, com novas lideranças na política local, dentro e fora do partido, e a disposição de colocarem seus nomes à apreciação pública. Então, não há racha, e sim crescimento, amadurecimento e novas lideranças, o que é saudável no ambiente democrático, além de oxigenar política local”, diz Acácio.

“Sinto-me preparado para subir um degrau a mais na minha trajetória política, com o intuito de ajudar ainda mais o nosso município. E a forma de conseguir isto é pleitear o posto no Poder Executivo. Portanto, pretendo tentar viabilizar minha candidatura”, diz Hélio.

DOBRADINHA ACÁCIO ROCHA E ALCIO IKEDA

Outro cenário que se desenha é uma possível dobradinha entre os vereadores Acácio Rocha e Alcio Ikeda (Podemos). Os dois, que vêm atuando em conjunto na Câmara, possuem ligações que podem resultar em uma candidatura a prefeito e vice em 2020.

ACÁCIO ROCHA

“Desde que ingressei no legislativo tenho trabalhado com todos os colegas vereadores, de todos os partidos, e outras lideranças políticas e comunitárias que não estão no mandato eletivo. Há muito debate, que é positivo ao amadurecimento e aprimoramento das ideias, e nisso tenho aprendido muito sobre o que quero e aquilo que não quero para a cidade e na minha biografia política. Nesse ambiente, de relacionamentos e aprendizado, surgiu naturalmente com o vereador Alcio Ikeda uma sintonia sobre ideias, projetos e trabalhos com os quais nos identificamos, e temos compartilhado muitas demandas, conjuntamente, inclusive com outros colegas. E para um eventual mandato executivo é importante construir um cenário que some, e face aos desafios que virão é imprescindível que se conheça a estrutura pública, seja colaborativo, que fortaleça, e que permita atuar com dinamismo e sintonia, características que temos experimentado com sucesso, sem ciumeira e vaidades. É uma somatória de qualidades, e há também uma oportunidade de compensação mútua, onde as habilidades de um podem preencher as limitações do outro, e vejo isso como fundamental, para um trabalho de sucesso. Não escondo minha admiração pública ao Alcio, com quem tenho aprendido muito”, diz Acácio.

ALCIO IKEDA

“A parceria com o vereador Acácio Rocha na câmara tem sido extremamente positiva. Graças a Deus, conseguimos bons resultados para Adamantina. Talvez por isso, naturalmente, parte da própria população vem sugerindo uma possível parceria nas eleições do ano que vem. Isso me deixa feliz, pois de certa forma, acaba representando uma aprovação ao nosso trabalho. Porém, em respeito aos nossos partidos que no momento certo avaliarão os melhores nomes para a eleição do Executivo e também em respeito à própria população, que tem o direito de acompanhar e avaliar o nosso mandato por mais um tempo até as eleições, não considero ser o momento certo para qualquer definição. O que eu posso dizer, é que sempre quero ter parceiros capacitados e bem intencionados para estar ao meu lado. O Acácio, com sua experiência em gestão pública, somado a mente inovadora que possui, é extremamente competente no que faz, além de não possuir os vícios da velha política. A gestão pública não admite mais visões arrogantes, centralizadoras e autossuficientes. É preciso humildade para reconhecer que devemos saber trabalhar em equipe para um melhor desempenho. É neste sentido que nos sintonizamos e conseguimos trabalhar bem em equipe, uma parceria de trabalho que pretendo manter, por Adamantina!”, diz Alcio.

“Um convite com o objetivo de me neutralizar já me faria desistir”, disse Acácio

Visando a continuidade da soberania do DEM em Adamantina, é possível também uma dobradinha entre Márcio Cardim e Acácio Rocha visando neutralizar um rompimento, o que é rechaçado pelo vereador.

ACACIO ROCHA

“Nenhuma porta está fechada, sobretudo porque ainda temos um longo caminho pela frente, para as decisões que confirmem qualquer candidatura. Um convite com o objetivo de me neutralizar já me faria desistir. Aliás, isso já ocorreu, na campanha passada, quando fui chamado a uma reunião e convidado a não ser candidato a vereador, e se declinasse, naquela época, teria oportunidades como secretário municipal. Recusei, veementemente, pois a disposição era para experimentar uma candidatura e buscar cada voto que permitisse minha eleição. Deixei de fazer minha campanha para coordenar programas de rádio do então candidato e atual prefeito e de todos os vereadores da coligação, e atendimento à imprensa. Então, um convite com essa configuração e objetivos, teria de novo a minha recusa. E com sinceridade, não vejo que partam iniciativas nesse sentido, sobretudo face aos posicionamentos que tenho tomado dentro da minha inviolável autonomia, no mandato legislativo. Sei reconhecer quando há avanços e conquistas, e tenho dado minha contribuição. Nesse ambiente também exerço a atividade fiscalizadora dentro do que a lei autoriza, sem me ausentar dessa condição, com maturidade, respeito aos poderes e satisfação ao cidadão”, diz Acácio.