Sérgio Vanderlei, presidente do Sincomercio Nova Alta Paulista (Foto: Miguel Tominato)

A confiança do empresário registrou a segunda alta consecutiva em outubro (2,7%) ao passar de 115,3 pontos, em setembro, para os atuais 118,4. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a elevação foi ainda maior, 15,4%. Assim, também houve aquecimento nas intenções dos empreendedores ao realizarem novas contratações. Além disso, o IEC (Índice de Expansão do Comércio) subiu 5,8% em outubro – 111,7 pontos ante os 105,6 do mês anterior, maior patamar desde janeiro de 2014. Em relação a outubro de 2018, a alta foi de 17,9%.

Segundo a FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo), esses resultados positivos são reflexo da queda dos juros, com tendência de mais redução com a aprovação da Reforma da Previdência. Como consequência, a intenção de gerar emprego (7,2%) e investir (3,7%) aumentam, visto que, com juros menores, a relação dívida/PIB fica estável.

Um dos destaques de outubro foi o item contratação de funcionários, que obteve sua segunda alta seguida, passando de 122,9 pontos, em setembro, para 131,8, em outubro, atingindo o maior nível desde janeiro deste ano e a maior pontuação registrada para os meses de outubro desde 2013.

Com essa melhora do cenário econômico, as instituições financeiras têm liberado mais crédito, e a recomendação ao empresário, agora, é converter vendas do carnê para o cartão de crédito, destaca a Entidade. O momento é de aproveitar as ofertas das maquininhas que têm cobrado taxas menores e antecipado os pagamentos, mantendo, assim, o giro do fluxo de caixa.

A tendência é que o comércio feche o ano com números melhores do que em 2018, contudo, a FecomercioSP sugere cautela com a oscilação do dólar para empresas que trabalham com matérias-primas e produtos importados. A dica é tentar não repassar aumentos para os consumidores, ainda que seja preciso reduzir a margem de lucro.

SINCOMERCIO AVALIA

Para o presidente do Sincomercio Nova Alta Paulista (Sindicato do Comércio Varejista), Sérgio Vanderlei, a boa expectativa também deve refletir no comércio de Adamantina.

“A confiança do empresário é o primeiro sinal da retomada da economia. O empresariado mais confiante representa mais investimentos em suas empresas, resultando em mais contratações e, consequentemente, mais consumo. O comércio local também deverá ter um fim de ano melhor que em períodos anteriores, superando as vendas dos últimos cinco anos”, destaca.