Kleberson Calanca regendo o coral da Andrews, onde defendeu o seu mestrado em Regência de Coral (Fotos: Arquivo Pessoal)

Uma trajetória musical. Assim se caracteriza a história de Kleberson Calanca, que defendeu seu mestrado em música na modalidade Regência de Coral na Andrews University, em Michigan nos Estados Unidos, no último dia 5 de maio. Kleberson residiu em Adamantina entre 1999 e 2006, onde foi aluno da primeira turma do curso Técnico em Informática na ETEC Prof. Eudécio Luiz Vicente, e cursou piano no Instituto Villa-Lobos de Ensino Artístico. Embora tenha nascido em São José dos Campos e morado alguns anos em Panorama, sua história tem fortes vínculos com a cidade. Seu avô trabalhou na construção da Ferrovia Paulista e também no Ipê Clube.  Adamantina é a cidade natal de sua mãe, Nair Cesário Costa, e sua irmã Katiuscia ainda reside na cidade. Além disso, vários de seus antepassados estão sepultados aqui.

No Instituto Villa-Lobos, sob direção da professora Rita Ramenzoni, Kleberson atuou como professor de música por alguns anos e, com Domingos Sarto Neto e Eduardo Silva, compunham o Musical Intermezzo, tocando em eventos e cerimônias. Ele também participou de diversos festivais, tais como o de Ourinhos, Tatuí, e o Festival de Inverno de Campos do Jordão. Durante o período em que foi aluno da ETEC Eudécio Luiz Vicente, compôs o jingle do programa de rádio Cultura Ambiental, sob coordenação das professoras Izabel Castanha Gil, Maria Bernadete Maranha e Eunice Ladeia Guimarães, que ia ao ar aos sábados de manhã, pela Rádio Cultura FM.

Seguiu para Campinas e depois Valinhos, sempre atuando como professor de piano. Estando perto da capital paulista, cursou História da Música na ULM (Universidade Livre da Música), hoje Instituto Tom Jobim. Convicto de seu talento e de sua escolha pessoal, em 2011, ingressou no curso de Licenciatura em Música do UNASP (Centro Universitário Adventista de São Paulo). Durante esse período, Kleberson foi convidado a ser o compositor residente da OSJMT (Orquestra Sinfônica Jovem de Mato Grosso). A parceria com o maestro Murilo Alves rendeu vários arranjos de músicas regionais matogrossenses. As obras mais conhecidas são Um Dia de Domingos, composta em homenagem a Dominguinhos, Merceditas e Um Poquinho de Brasil. Essas obras estão registradas em um CD gravado pela OSJMT.

Foi bolsista do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência), que tem como finalidade desenvolver pesquisa na área de didática e de metodologias para a sala de aula. Sua área de pesquisa foi o desenvolvimento da musicalidade usando como base a psicologia histórico-cultural do soviético Lev Vigotsky, estagiando num coral de terceira idade. Ao final do estudo, seu trabalho foi reconhecido com um estipêndio para fazer o mestrado nos Estados Unidos. Vale lembrar que o patrocínio veio da professora e pianista Elizabeth Lina Turcílio, uma mecenas brasileira, que acreditou no talento musical de Kleberson, proporcionando-lhe valiosa oportunidade.

Na Andrews University, em Michigan, o músico faz parte do ACDA (American ChoirDirectorAssociation) e, durante o mestrado, atuou como pesquisador assistente no Music Materials Center da Universidade. Sua pesquisa envolve a publicação de uma edição crítica da Sonata para Violino e Piano da compositora estadunidense Blythe Owen, a quinta mulher norte-americana a ter um PhD em composição nos anos de 1950, e uma importante personagem na história da música erudita, pois Owen teve estre seus mestres, nomes como Rudolf Ganz e NadiaBoulanger. NadiaBoulanger foi professora de compositores famosos como Stravinsky, Ravel, Debussy e do brasileiro Almeida Prado.

Kleberson prepara-se para um PhD em Musicologia naquele mesmo país. Seus antepassados paternos vieram da região de Modena, na Itália, a mesma região de origem de Luciano Pavarotti. Seria isso mera coincidência ou seu DNA mantém registros de alguma ancestralidade musical, com forte presença naquela região europeia?

Texto da Prof.ª Izabel Castanha Gil (ETEC Prof. Eudécio Luiz Vicente e UniFAI)