Alunos de especialização em Osteopatia pela Ebrafim, em Adamantina, com professor doutor Bruno Moreno (ao centro) e os fisioterapeutas osteopatas Guilherme Fonseca e Gustavo Kunz (direita), e Leonardo Henrique e Roberto Procópio (esquerda) (Foto: Divulgação)

O século XXI assiste ao surgimento de novas tecnologias disponibilizadas à saúde, ao aumento da expectativa de vida e inclusive ao desejo do envelhecimento com qualidade. Esses fatores exigem dos profissionais que atuam nesse segmento constante atualização e aprimoramento.  Isso tem se tornado essencial, principalmente na área da Fisioterapia.

Em função disso o ensino das teorias e técnicas pelas escolas e o atendimento prático nas clinicas vem se tornando a parceria ideal ao desenvolvimento das condições para a formação desse profissional, aliado ao atendimento efetivo da população.

Um exemplo é a parceria estabelecida entre o espaço Rock Your Life Fisioterapia e Fitness e a EBRAFIM – Escola Brasileira de Fisioterapia Manipulativa. Essa sinergia poderá transformar a forma de atender pacientes e de realizar curso de Formação Profissional.

Para o Professor Dr. Bruno Moreno, coordenador de cursos da EBRAFIM, o ambiente da clínica é perfeito para o desenvolvimento do ensino em Fisioterapia, pois a excelente infraestrutura permite vislumbrar vários projetos futuros de pesquisa e extensão. Segundo ele, as perspectivas que se abrem são tão boas, que já foram desenvolvidas reuniões clínicas entre alunos, professores e fisioterapeutas ligados à Rock Your Life e já existe uma autorização da Secretaria de Saúde da cidade para realizar atendimentos gratuitos a pessoas carentes, em formato de estágio.

Guilherme Fonseca, osteopata e coordenador do espaço Rock Your Life, diz que essa parceria vem de encontro aos objetivos iniciais da clínica que é proporcionar às pessoas melhor qualidade de vida e saúde. “Podemos agregar recursos, tecnologia e conhecimento. Além disso, poderemos abrir nossas portas para receber pacientes que não tenham condições financeiras para bancar um atendimento particular. Isso é extremamente gratificante”, comenta.

Um modelo de trabalho parecido já acontece em São José do Rio Preto/SP, em parceria com a Clínica de Fisioterapia CEFIS. Lá, os alunos estudam, observam atendimentos, acompanham cirurgias, fazem estágios e pesquisa. Os atendimentos realizados na rede pública já são cadastrados pelo município entre as Práticas Integrativas em saúde e só no ano passado foram publicados quatro artigos científicos em revista da área.

Novas ideias e projetos de trabalho se multiplicam a cada novo encontro, pois na  saúde e educação, o ensino, pesquisa e extensão são um ótimo ponto de partida para construir novos projetos e contribuir com desenvolvimento da equipe de trabalho. Quem mais se beneficia com isso são os pacientes e alunos envolvidos pelos frutos deste tipo de parceria.

Professor Paulo Koeke, com os fisioterapeutas Guilherme Fonseca e Roberto Procópio, entre alunos do grupo de estudos que integra a especialização em Osteopatia: novas pesquisas em andamento (Foto: Divulgação)