Pelo menos quatro carteiros de Adamantina a aderiram greve nacional dos Correios nesta quarta-feira (11), prejudicando a entrega de correspondências. Na cidade, a agência funciona normalmente na data de hoje.

A paralisação foi decretada em assembleia realizada na noite desta terça-feira (10), em diversos estados do país.  O reajuste salarial de 0,8% é um dos principais pontos reclamados pelos trabalhadores.

Os grevistas querem impedir a redução dos salários e de benefícios e são contra a privatização da estatal, que foi incluída no mês passado no programa de privatizações do governo de Jair Bolsonaro.

A categoria também é contra a exclusão do vale cultura, a redução do adicional de férias de 70% para 33% e o aumento da mensalidade do convênio médico e da coparticipação em tratamentos de saúde.

A Findect (Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios) e a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares) afirmam que a greve é geral e que todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram ao movimento.

Em nota, a direção dos Correios pontua que a paralisação é parcial e já colocou em prática um “plano de continuidade de negócios para minimizar os impactos à população”.