Instituições Municipais de Ensino Superior discutem com a Secretaria de Educação do Estado um projeto-piloto do programa Educa SP a ser implementado no segundo semestre do ano (Foto: Divulgação)

O Centro Universitário de Adamantina (UniFAI) deve firmar, em breve, parceria junto à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo (SEE-SP) para implantar o programa “Educa SP” na Instituição.

Lançado em fevereiro pelo governador João Doria (PSDB), o programa pretende levar alunos do Ensino Médio da rede estadual à realização de atividades complementares em instituições de Ensino Superior públicas e privadas parceiras em todo o estado.

“De certa forma, é um ‘Corujão da Educação’, porque ele vai ocupar os horários disponíveis nas salas de aula de universidades, garantindo com isso melhor qualidade de ensino e principalmente uma motivação adicional para os alunos da rede”, disse Doria em material divulgado pela Assessoria de Imprensa do Governo do Estado.

Ainda segundo o Governo paulista, “a ideia da Secretaria de Estado da Educação é ofertar conteúdos que deem sentido à trajetória dos alunos e fornecer uma amostra da vida universitária. Além disso, a iniciativa busca reduzir a evasão e abandono escolar e aumentar o rendimento dos estudantes”.

O reitor da UniFAI, Prof. Dr. Paulo Sergio da Silva, e o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Prof. Dr. José Aparecido dos Santos, estiveram na sede da SEE-SP nesta semana, na capital paulista, para obter mais informações acerca desse programa. “A UniFAI tem como tradição fazer convênios, agir em conjunto e, com esse programa, teremos a oportunidade de trazer os alunos do Ensino Médio mais cedo para a nossa Instituição, jovens que serão nossos futuros alunos”, comentou o reitor.

“Essa parceria é voltada a implementar uma política pública de educação no Estado, iniciativa do secretário da Educação [Rossieli Soares da Silva], objetivando trazer o aluno do Ensino Médio para dentro das Instituições de Ensino Superior para já ter essa vivência universitária”, explicou o pró-reitor.

Grandes instituições como a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) já firmaram o convênio e, agora, as Instituições Municipais de Ensino Superior (IMES) discutem com a SEE-SP um projeto-piloto da parceria a ser implementado no segundo semestre do ano.

“Estamos na fase de lapidar o plano de trabalho, no qual pretendemos oferecer 40% da permanência dos alunos do Ensino Médio em nossa Instituição para reforço escolar e as outras atividades abrangeriam temáticas dentro das grandes áreas do conhecimento, como Exatas, Humanas, Agrárias, Biológicas e da Saúde”, complementou José Aparecido.

Segundo a Assessoria de Imprensa da SEE-SP, os cursos terão duração de 200 horas e estarão em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). As atividades serão propostas pelas universidades, mas ainda passarão pelo crivo da Pasta.

“A escola continua sendo o principal loco de aprendizado. Este é um programa opcional para os alunos, que podem ter experiência nas universidades e se interessar pelo ensino superior”, completou o secretário da Educação, Rossieli Soares.

Colaborou: Assessoria de Imprensa da SEE-SP